Bem vindo(a)!

Se adoras séries norte-americanas, gostas de estar a par das ultimas noticias, conhecer novas séries e conhecer novas pessoas e dar a tua opinião, então este é o site ideal para ti.

Faça login para poder acessar por completo nosso fórum!

Faça parte da familia «Séries Completas» entre e registra para se mas um membro da Familia

Abraço a todos que visitam nosso fórum.
Hugodf1, administrador do fórum.

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Dexter (4.08) – Road Kill

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Dexter (4.08) – Road Kill em 11/18/2009, 8:34 am

Admin

avatar
Administração
Administração


Born in blood, both of us
Gabriel Garcia Marquez tem um livro intitulado “Crónica de una muerte anunciada”. Não sou (nada) fã do escritor colombiano, mas acho que o título é o mais sugestivo para este episódio. A crónica de uma morte anunciada que, em vez de ser de Santiago Nasar, é de Arthur Mitchell.
O episódio é isso mesmo. A construção da narrativa que levaria a morte do assassino desta temporada. Claro que a temporada depois ficaria sem história para os próximos 4 episódios (e só faltam 4…a temporada passou a correr), logo Trinity teria de sobreviver mais um pouco. Mas, e como as bases da série foram semi-partidas nesta temporada, nunca se saberia. Mas antes da matança, teria de vir o ensinamento. De novo, Trinity faz a função que pertenceriam ao ITK, se este tivesse vivo. A função de irmão mais velho, de ensinar o seu companheiro, de ensina-lo a comandar o destino da vida, a corrigir os erros e apoia-lo incondicionalmente. O seu exemplo.
E, com a morte “incorrecta” de Jonathan Farrow, chega o tempo de Mitchell ensinar a Dexter alguns truques que o poderão ajudar no resto da caminho. De novo digo que as frases de Dexter são fantásticas, principalmente aquele diálogo entre os dois assassinos durante uma paragem. Mas o caminho faz-se caminhando, e a série teria de seguir.
Assim, e para deixar algumas lembranças para trás, chegamos ao momento da matança. A caça acabou, a presa está seleccionada e confirmada e está na altura de disparar. De novo vemos Dexter metodicamente a trabalhar, com vista a mais um troféu. E vemos Mitchell a tentar concretizar o seu destino: após completar o ciclo, decide por término a vida. E de novo aparece o salvador, o irmão mais novo para dar uma mãozinha. Interessante ver que Mitchell iria morrer da mesma forma que a mãe, também com as cinzas da irmã como decoração. Mas, ao salvar, e como Dexter diz, salvou um assassino e matou um inocente. Ou seja, as contas com o universo estão muito desequilibradas.
De resto, a última frase do episódio é algo já muito sabido: Dexter está cada vez mais humano. Desde o cerebral assassino até ao que vemos agora foi preciso muito crescimento. E isto envolveu a colocação do assassino a um nível mais racional. Mas parece que só agora é que o assassino deu por isso.

E, agora, falar de Mitchell. Ao contrário do que pensava, o assassino é demasiado inconsistente para se ter salvado tantas vezes. A cena do veado, proveniente do episódio anterior, e agora estas, entre as quais aquela conversa “familiar” mostram uma pessoa que não conseguia viver consigo mesmo. Claro que, depois daquele “quase-suicídio” parece ter-se modificado, andando mais solto, e com menos remorsos. Talvez um problema para Dexter.
O restante do episódio foi ocupado por 2 narrativas interessantes e 1 do mais desinteressante que há. Comecemos por esta última: LaGuerta e Batista bem podiam andar enrolados, podiam andar chateados, podiam-se odiar, que ninguém se importava. O casal é desinteressante, pois anda é um pára-arranca constante, o que torna ainda pior a narrativa. Mas isto vai acabar por não dar em nada, espero.
A outra, algo mais interessante, foi o novo rival de Dexter: Elliot. Após o caso que o assassino teve com a britânica Lila, parece que também Rita vai andar a ter um caso por fora. A cena do peixe é demasiado esclarecedora, e ainda por cima depois junta-se vinho a mistura. Parece que o assassino terá alguns problemas.
Para acabar, falar de Deb, e de todo o seu jeito para a mímica. Que pensaram quando a rapariga fez o sinal de DNA? Deixando isto de parte, a conclusão da irmã de Dexter de que Trinity não assassinou Lundy abre algumas portas para a história. Primeiro, uma diversão para a polícia, que tem outro caso em mãos. Segundo, confirmar as minhas suspeitas: achava demasiado linear ter sido o Serial Killer a matar o agente, principalmente para quem parece que nunca pegou numa arma. Assim sendo, abre-se mais uma entrada de ar na série, algo que poderá ser muito bem aproveitado.
E, de novo, retalhos do episódio:

  • Cada vez mais a jornalista namorada de Quinn parece-me suspeita. Estou a ver dali surgir problema.
  • Bom regresso, Masuka. E logo com uma prespectiva (encoberta) sobre os seios de Deb. E sim, não só são seios…
  • Quem não gosta do Kyle Butler?
  • Dar aqui os meus parabéns ao elenco desta temporada, principalmente ao Michael C.Hall, à Jennifer Carpenter e ao John Lithgow. Absolutamente fantásticos.

Dexter torna a manter o nível da temporada. Cada vez mais gosto da quarta sequela da série, e ainda nem chegamos ao final, que costuma ser o melhor da série. Esperemos por isso, não sem antes deixar aqui o promo do próximo episódio. Para ver à vossa conta e risco, mas que promete, isso promete.