Bem vindo(a)!

Se adoras séries norte-americanas, gostas de estar a par das ultimas noticias, conhecer novas séries e conhecer novas pessoas e dar a tua opinião, então este é o site ideal para ti.

Faça login para poder acessar por completo nosso fórum!

Faça parte da familia «Séries Completas» entre e registra para se mas um membro da Familia

Abraço a todos que visitam nosso fórum.
Hugodf1, administrador do fórum.

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Heroes (4.12) – The Fifth Stage

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Heroes (4.12) – The Fifth Stage em 12/4/2009, 2:28 pm

Admin

avatar
Administração
Administração
O
luto divide-se em 5 fases. A primeira caracteriza-se pela negação, a
tentativa de fugir a realidade que se vive. Depois, e ultrapassada
esta, vem a raiva, onde se pergunta a conhecida: “Porque eu?”. Após
ter-se ultrapassada a raiva, vem a fase do negócio com uma força maior.
A realidade já está assimilada, mas ainda se tenta alterar o destino.
Depois vem a fase mais generosa para os psicólogos: a depressão, onde
tudo no mundo parece que não vale a pena lutar, pois perdemos tudo
aquilo porque nos importamos. E, para acabar, há a aceitação, onde se
acaba por aceitar o destino e começa a construir a vida noutro sentido.
Alguém vê melhor metáfora para Heroes? É complicado. Tivemos a
negação, quando na segunda temporada ninguém acreditava que Heroes
fosse a série que estivéssemos a ver. Depois veio a raiva, algo que
aconteceu no inicio da terceira, quando parece que a série passa por
dúvidas do que está mal. A negociação não é tão notória, mas a
depressão é demasiada real, atingindo o culminar no último episódio da
terceira temporada. E, com o começo desta 4ª temporada, veio a
aceitação da realidade: Heroes já não é a mesma série, por isso temos
de construir a série noutro sentido. E, se até agora, este sentido não
tem conseguido aproximar da excelente primeira temporada, também
melhorou em relação as duas anteriores. É já um começo para uma vida
melhor.
E, com este episódio, parece que a aceitação está preste a
concluir-se verdadeiramente. Começam-se a soltar pontas pouco
importantes para a temporada e começam-se a construir histórias.
Percebe-se que os argumentistas estão a aproveitar esta primeira parte
para arrumar a casa, ou pelo menos dar uma limpeza às muitas peças
partidas que estavam espalhadas. E, incluindo uns jarrões engraçados,
pretendem ter menos “valor” em casa mas ter tudo mais arrumado. Por
vezes é o que basta.
Para isso tiraram, de novo, da cartola três narrativas. A primeira,
e que ocupou pouco espaço, foi a de HRG. Apesar de pouco importante,
deu para ver que o pai de Claire deixou a mulher “apagada” por alguém
que poderá ser importante para a série. E, já agora, que tem pernas
jeitosas…também sempre importante. Agora, com os ficheiros
desaparecidos, parece que Lauren será uma ajuda importantíssima…nem que
seja a correr e a rasgar meias (e fico-me por aqui com este tipo de
review).
Depois, tivemos Claire a entrar na feira de variedades que é o Circo
de Samuel. Apesar de não trazer muito de novo, deu para cimentar
algumas ideias sobre Samuel e dar a Claire a oportunidade de se sentir
em família. Para isso, Smauel andou a brincar com a criança, como um
cão que tem de ser ensinado. Não foi mais que um jogo de manipulação
para Claire entrar na equipa e assim sentir-se verdadeiramente ligada.
Depois, e quando tudo parecia demasiado perfeito, o aparecimento do
homem que enfrentou Samuel morto é a forma que nos lembraram para
recordar que as aparências iludem. Para além da forma como T-Bag acaba:
Claire não está lá por si própria, mas sim para chamar outra pessoa.
Agora fica a pergunta: quem?
Para acabar, a história de Peter e Nathan/Sylar teve aquilo que
precisava: o regresso de Sylar. Mas, para que isso acontece-se, foi
preciso despedir-se verdadeiramente de Nathan. Primeiro, a interpelação
de Angela, que tenta chamar a razão o seu filho. Depois, a luta
titânica entre Peter, com ajuda de Nathan, contra Sylar. Mas, e apesar
de tudo, não foi possível que o governador continua-se. Para mim foi a
decisão acertada no que toca a série. Nathan já não tinha grande
importância e, assim, teve um final digno e foi responsável pelo
regresso do motor de série, que agora está a ser compartilhado por
Samuel. Seja bem-vindo, senhor Gabriel.
Heroes consegue arrumar a casa com este episódio. Vê-se que os
argumentistas acham que a arrumação já está suficiente, pois a cena
final demonstra as personagens que podemos esperar para o resto da
temporada. Vamos ver se ainda não ficaram por varrer uns cascos e tirar
umas teias de aranha. O que é prometido é que, quando Heroes regressar,
o ritmo voltará a subir.


_________________
http://seriescompletas.forumeiros.net

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum