Bem vindo(a)!

Se adoras séries norte-americanas, gostas de estar a par das ultimas noticias, conhecer novas séries e conhecer novas pessoas e dar a tua opinião, então este é o site ideal para ti.

Faça login para poder acessar por completo nosso fórum!

Faça parte da familia «Séries Completas» entre e registra para se mas um membro da Familia

Abraço a todos que visitam nosso fórum.
Hugodf1, administrador do fórum.

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Dexter (4.10) – Lost Boys

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Dexter (4.10) – Lost Boys em 12/4/2009, 2:30 pm

Admin

avatar
Administração
Administração


And, if it’ll make you feel any better, you can call me Arthur.

Sabem aquela sensação na espinha de arrepio? Aquela que acontece
quando ouvem uma música que é muito mais que isso, uma fotografia que
representa não o momento, mas sim a situação, uma recordação que
representa um momento dos mais importantes da vossa vida? Sabem aquele
arrepio que sobe espinha a cima, pronta a atacar? Fui isso que senti ao
acabar de ver este episódio de Dexter.
Apesar de um pouco inferior ao anterior, Lost Boys vem colocar as
peças que faltavam para o final ser perfeito. E, assim sendo, consegue
já colocar esta temporada a níveis superiores que a segunda e a
primeira (minha ordem de preferência), levando a concluir que o
semi-tédio ultrapassado na última temporada valeu a pena.
Para isso, o episódio levou ainda mais avante a narrativa de
Dexter/Arthur, transformando o monstro de John Lithgow num monstro
ainda maior. Após matar a sua família, ou melhor, a representação da
sua família, Trinity trás uma informação explosiva: o rapto de uma
criança. Introduzir novas informações nesta altura da narrativa
poder-se-ia tornar um erro, pois o tratamento que sofreria seria
escasso para satisfazer. Mas esse risco foi ganho. Com a introdução da
criança de 10 anos (importante pormenor) no ciclo de Trinity tudo fica
completo, tudo fica perfeito. Ou melhor, no ciclo de “Quarnity” tudo
começa com uma criança. A sua representação, a sua perda da inocência
representada pela morte. A morte de uma criança, o nascimento de um
monstro.
Para além disto, poderemos ver este “esconder” do corpo como uma
metáfora para a vida de Arthur. Escondido a partir do momento que a sua
inocência se perdeu, sempre protegido. Mas não é isso que acontece.
Dexter, ao descobrir a verdadeira face do assassino escavou pelo
cimento fundo e trouxe a superfície. Tal como fez com o rapaz, só que
neste ainda foi a tempo de salvar a sua inocência. Mas, e para uma
série onde se critica a existência de um ritmo baixo, a série, com o
jogo do rato e do gato, conseguiu imprimir uma velocidade estonteante
na procura, algo que não me lembro de ver desde a primeira temporada,
quando Dexter procura o local onde a irmã está presa.



E aqui se vê uma mudança radical na personalidade de Dexter: se, na
primeira temporada, a procura exaustiva é pela irmã, nesta isso é por
um rapaz desconhecido. Dexter mudou os seus critérios e prioridades,
tal como diz Harry, pois agora é pai. Tornou-se mais humano, mais
paterno, o que o leva a procura daquilo que não lhe pertencia, mas que
ele sentia necessidade de procurar. E aqui se vê a importância familiar
para Dexter: o serial killer está já apegado a sua mulher e aos seus
filhos e vice-versa. A luta que Cuddy tem representa isso, o amor
demonstrado pelos filhos de Rita pelo analista de sangue. E é aqui que
Dexter vê que não é tão diferente de Arthur: esconde-se atrás da sua
família, como uma máscara que Harry nunca pensou.
Mas, e devido a falta de informação, aqui se encontra outro erro do
serial killer. Arthur não é nada apegado a família, e sim está a ele.
Exemplo disto é Christine, que passou de uma personagem sem importância
para a personagem chave da série. É com esta que outro desenvolvimento
se dá, com a confirmação de que ela é mesmo filha de Arthur. E, também,
de que foi ela, para salvar o pai, que atirou em Lundy e Debra, num
acto desesperado que não estava nos planos de Arthur. A cena em que ele
se enerva no carro é fantástica, após a paz de alma demonstrada a
frente da sua “amada”. Agora, com a filha presa, vamos ver como Arthur
reage a todos os acontecimentos que lhe estão a acontecer.
E, agora, os retalhos do episódio:

  • A excelente abertura de Dexter, com aquela seringa, vem demonstrar que a série em termos de pormenores é fantástica.
  • Mudança de espaço para o “consultório” do assassino. Volta ao
    início, ao local onde tudo se perdeu e onde ele se verdadeiramente
    encontrou.
  • A importância que o filho de Arthur teve neste episódio, dando uma
    ajuda imprescindível a Dexter para salvar uma criança. Se calhar ainda
    será utilizado.
  • Masuka irá contar a Dexter aquilo que viu. Agora foi interessante ver aquela intensa correria atrás do seu amigo.
  • Já viram que, quando Batista e La Guerta não perturbam o episódio, este fica mais interessante?
  • DAR UM PRÉMIO A JOHN LITHGOW, SFF.

De novo Dexter mantém um ritmo fantástico. A temporada está quase a
acabar e isto promete. E, para ainda aumentar a distância, vejam o
perfeito promo que se segue. Por vossa conta e risco.


_________________
http://seriescompletas.forumeiros.net

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum